24 outubro 2008

"As cenas são centenárias, mas não há quem não sonhe ser a mocinha ou o mocinho que cruzam olhares no embalo de uma serenata, que tenham nos olhos o reflexo da chama amarelada das velas sobre a mesa de jantar e que, emocionados, molhem o sorriso com lágrimas na entrega da rosa. O comportamente parece ridículo, mas também não há quem não sonhe em ficar sentado horas esperando o telefone tocar para, depois, relembrar palavra por palavra dada do outro lado da linha; escrever frases bregas no cartãozinho mais brega ainda(e achar um exemplo de bom gosto e originalidade); ficar sem fome(ou comer demais); ouvir música(melosa) sem descanso e perder o maior tempo imaginando os passos do outro. Não há quem não queira ser o motivo da "loucura" e da inspiração(mesmo desastrada) para o versinho que vem assinado pelo Chuchu, pelo Fofo ou pela Gatinha - apelidos que fazem o resto do mundo cair na gargalhada e ele(a) se sentir realmente fofo, um chuchu ou uma gatinha-. Os últimos românticos ganharam milhões de companheiros. O romantismo sobreviveu a todas as foram de revoluções de comportamento. Ele pode ter emprestado as vestes da modernidade, mas, despido, ainda tem as velhas formas que emocionam todas as gerações. Não há como negar. Não há quem não queira ser o 'te' do Eu te amo."

[Texto que eu peguei no fotolog de uma amiga]

Nenhum comentário: