23 janeiro 2009

Eu queria te escrever uma última carta, não queria que fosse mais uma carta de amor. Porque não faz mais sentido algum ainda me declarar a você. Engraçado eu ainda escrever essa carta, sabendo que você não vai ler, nem eu vou te mostrar. Todas as tentativas de eu te escrever algo e perceber pelo menos interesse em você, nunca existiram.. Mas faz tempo que eu não sou tão interessante para você, não é mesmo? Responde sem culpa já que agora eu consigo manter os meus pés no chão.
Acho que você nunca conseguiu enxergar todo o amor que eu te dei, ou pelo menos a vontade que eu tinha de te oferecer, o jeito escandaloso de te amar, causava inveja a todos os mortais que não conheciam o amor. Lembro-me das confissões que os conhecidos nos diziam, e o quanto eu recebia cantadas até com o amor que eu tinha por você. Queriam ocupar o seu lugar. Mas nunca o habitaram, nunca se quer, habitaram em mim de verdade. Talvez eu nunca tenha deixado, nunca tenha dado espaço para que isso ocorresse. Mas o meu amor era tão teu, ainda consegue ser tão grandioso que eu me vejo suja querendo oferecer a outra pessoa. Desde que eu quis me envolver com você, isso antes de nós formamos um casal,eu não consegui te arrancar de mim para sempre, nem com todas as orações, nem com todos os esforços e eu sei que eu tentei, e quis tanto que isso ocorresse e ainda quero, melhor dizendo EU PRECISO. Espero que tudo isso seja uma despedida, mas o que eu acho uma pena, sei que esse não vai ser o último suspiro, o último sonho, a última vontade de estar com alguém que não seja você. Você faz moradia em mim, na minha alma. E isso que não era para ser um texto de amor, consegue ser uma das coisas mais sinceras e calorosas que eu já te escrevi, talvez por eu realmente esperar que essa seja uma despedida realmente despedida, das várias que eu já te fiz,das várias que eu já fiz pra mim. Mas e agora eu te peço com aquelas mesmas forças quando eu te pedi para ficar no dia que você resolveu ir embora, ”Por favor, vai embora, vai para nunca mais voltar. ”
E isto tudo se resume em; ”Eu não quero mais sentir saudade, eu não quero mais me sentir tão sua.”

Os últimos beijos, os últimos abraços com esse amor desmedido que você nem deve saber que ainda faz teto ao meu coração.

Juliana
-Por que você tem medo de se apaixonar?
-Eu?De onde foi que você tirou isso?
-É você... De tudo, do jeito como você foge de mim, do jeito como você me evita quando eu falo que eu quero te ver, quando eu te ligo todas as noites e você sempre arruma um jeito de desligar o telefone logo, de como você duvida quando eu falo que você é uma mulher sensacional.Me diz o motivo, deixa eu te entender.
-Não me leva a mal, mas por que essa pergunta agora hein?
-Porque eu não agüento mais ser o compreensivo em ser o único a ver futuro nessa história, em sempre torcer para que algo que eu faça te agrade. Antes eu ainda duvidava que pudesse ser isso, talvez você realmente não me quisesse por perto, talvez eu fosse apenas mais um desses que são apaixonados por você e deveria ser por isso que você me evitava. Eu ainda prefiro pensar que seja medo, ou que tenha alguém além de mim disputando o teu coração. Eu via quantas vezes você parecia estar longe enquanto estávamos juntos.
-Tu me conheces faz pouco tempo, e já quer saber tudo o que se passa na minha cabeça. Espera, vai com calma, estou assustada sim!Eu nunca te prometi nada, e nunca quis te iludir com nada.Sempre fui imparcial, mas agora acho que não é uma boa hora para a gente ter esse tipo de conversa.
-Se você fosse mais aberta comigo, talvez eu pudesse ajudar, mas você prefere se recolher e ficar sempre dizendo que hoje não é um bom dia para a gente ter qualquer tipo de conversa. Eu sei disso porque eu já tentei variadas vezes e você sempre se faz de desentendida como agora. Me diz o que é que eu tenho de errado, que eu tento mudar por você.
-Olha você me pergunta por que eu tenho medo de me apaixonar e logo em seguida cai um turbilhão de coisas. Mas como você me fez uma pergunta, eu vou tentar responder. Eu não quero ser mais injusta do que eu estou sendo. Mas não agora, me pegasse em uma semana realmente pesada, onde eu estou cheia de conflitos na cabeça e sinceramente, não quero falar sobre isso. E se você não percebeu, estou fugindo de responder isso, é mais uma vez como você disse. Mas, por favor, respeita!Mas antes que eu me esqueça, você não tem nada de errado, e sim você também é um cara maravilhoso. Mas agora eu não posso te responder essa pergunta. Não! até achar as palavras certas.Meu Deus que confusão, eu não queria te fazer passar pelo que eu passei.










E eu fiquei aqui pensando como eu iria responder e jogar tudo o que sinto por outra pessoa, dizer o quanto eu me machuquei no meu relacionamento anterior e como eu ainda conseguia estar presa ao passado. Eu estava sendo injusta em ainda não ter comentado nada sobre aquilo, mas era preciso coragem, era preciso fôlego para encarar mais uma conversa difícil. E como é que eu ia dizer o que tinha acontecido naquela semana? Eu estava me sentindo mal em não ter pensado nos outros que estavam ali dispostos a me contemplarem com um sorriso matinal e uma "boa noite" doce antes de o sono chegar. E aqui é mais ou menos 6:12 da manhã e depois dessa conversa, ele não me ligou, talvez ele tenha entendido que não era o momento para ele ter feito aquela pergunta, ou deve estar morrendo de raiva de mim por eu ter sido tão estúpida, ou deve ter se olhado no espelho e ter visto que ele merecia receber mais do que no momento eu poderia oferecer.
Ainda não respondi a sua pergunta, e nem sei se ele merece ouvir o que eu tenho a dizer. Não! Eu não sinto amor, eu não sinto paixão, eu não sinto gostar nenhum por ele. (Nem ciúme eu sinto, primeiro sinal quando eu quero alguém pra mim.)é triste isso, mas eu não sinto. Eu sinto carinho, cuidado, zelo, mas nada a ver com algo que me tire o sono ou que me faça perder horas pensando o quanto tudo aquilo era bom. Engraçado ainda ser essa hora e parecer que tudo isso talvez seja dedicado a ele, mas não! Esse texto consegue ser mais meu, do que para qualquer outra pessoa. Porque eu me segurei durante horas, dias para falar a verdade, para não dizer o quão eu me senti bem durante algumas horas nessa semana, eu me joguei, eu não quis saber do amanhã e ainda sim mesmo com todos os acontecimentos eu perdi horas pensando o quanto tudo aquilo tinha sido bom, e não foi com ele, e eu não pensei nele, não! Em nenhum momento. Talvez eu tenha sido a mais VADIA de todas, mas eu não dei ouvidos a ninguém, melhor dizendo eu preferi não comentar com ninguém, já que eu imaginava o que eles iriam me dizer. Agi por impulso e o pior ainda não me arrependi. Agora eu acho é bem feito eu me tremer todinha quando tem uma ligação e eu não sei o que dizer, eu tenho vergonha de ter feito tudo isso, eu deveria pedir desculpas a ele, mas antes que vocês consigam imaginar que eu realmente seja uma VADIA, eu tenho que pedir desculpas é a mim. Porque eu ainda consegui me sentir bem, passando por cima do meu amor próprio e depois dessa eu deveria era ter vergonha, eu tenho antes de tudo é que me pedir desculpas e esperar pelo pior. Vou carregar mais um problema nas costas, e ainda vou magoar quem não merecia, e no final das contas não vou ter nenhum dos dois!
E eu sei que depois que eu dizer tudo isso, ele nem vai ligar para aquela pergunta "Por que você tem medo de se apaixonar?”


PS: Quando a gente divide o que se passou nem que seja em textos, é verdade que ficamos mais leves.

Fuga.

Já falei que eu minto? Mas assim mentir muito? Mas mentiras tolas, mentiras sobre mim, mentiras para vê se eu consigo ser mais burra que o normal, e acreditar mesmo sabendo que isso seja uma fuga. Talvez eu ainda não saiba lidar com certas coisas, talvez o tempo ainda esteja sendo malvado e injusto demais comigo. Mas por que eu sempre tenho que ser a mocinha de tudo? Não, Eu não quero ser a mocinha e nem gosto de ser ela, e juro que muitas vezes queria ser até a malvada, quem sabe a vingança pudesse me trazer algum conforto? Dá para entender que eu só não quero mais esperar nada de ninguém.
Também já disse que sou pessimista? Pois é, eu sou. Engraçado que isso também é uma fuga, uma fuga porque eu realmente cansei das frustrações, daí eu sempre espero o pior de tudo, e deixo que me critiquem por eu continuar a julgar o que os outros pensam e falam sobre mim, mesmo sem saber a procedência. As pessoas fizeram com quee eu me tornasse assim e não sei se espero mudar. Afinal, tudo isso se tornou uma defesa minha e eu não sei se eu tenho mais a coragem de entrar em mais uma nova aventura de olhos vendados.

10 janeiro 2009



Sei que eu prometi escrever mais freqüentemente, mas estou em uma fase tão parada, tão sem graça, estou naquela montanha russa, um dia eu acordo bem, outra simplesmente indisposta, com vontade de ficar deitada e não sair mais da cama.
Agora é um ano difícil, e eu realmente espero que eu coloque a cabeça no lugar e comece a estudar diariamente para ser aprovada na federal. Um dos sonhos que eu mais almejo.
Entrei de férias realmente ontem, e queria muito estar saindo loucamente. Vamos ver a partir de segunda-feira, o que eu vou programar com as amigas.
Por enquanto estou pagando as minhas promessas, e vou cumprir todas!
:D
Quem sabe eu não saia dessa nostalgia e as inspirações apareçam em minha mente.
Uma coisa que eu realmente não gostava era de escrever textos fictícios. Inventando sentimentos, nome de outros personagens. Mas pelo visto a minha vontade de escrever vai ser assim mesmo, já que comigo anda não acontecendo nada. Pelo menos não do meu interesse.