26 fevereiro 2009

"Eu achei que quando passasse o tempo, eu achei que quando eu finalmente te visse tão livre, tão forte e tão indiferente, eu achei que quando eu sentisse o fim, eu achei que passaria. Não passa nunca, mas quase passa todos os dias.
Chorar deixou de ser uma necessidade e virou apenas uma iminência. Sofrer deixou de ser algo maior do que eu e passou a ser um pontinho ali, no mesmo lugar, incomodando a cada segundo, me lembrando o tempo todo que aquele pontinho é um resto, um quase não pontinho. Você, que já foi tudo e mais um pouco, é agora um quase. Um quase que não me deixa ser inteira em nada, plena em nada, tranqüila em nada, feliz em nada."


Tati Bernardi

Engraçado quando alguém escreve o que a gente sente, parece que as letras sairam das nossas mãos...

Um comentário:

Anônimo disse...

incrível mesmo como consegue..parece que tira um pedaço da dor de dentro da gente só por saber que nao somos tão alienigenas assim por nos sentirmos assim..