24 agosto 2011

Amor tranquilo, coração em paz.



Perdi a conta das vezes que eu falei o quanto coisas mornas me causavam tédio, o quanto relacionamento sem frio na barriga e sem expectativas não me enchiam os olhos. Após tanto tempo considerando isso uma verdade irrefutável, eu venho me retificar. Não há nada mais agradável do que ter sido escolhida no meio de tantas para ser a única, de receber um sinal de vida apenas por saudade, e mesmo que o coração não esteja eufórico, ansioso e amedrontado por amor, saber que é ele que está do outro lado, do meu lado, dentro de mim é uma das sensações mais calmas e seguras que eu já senti.
Nada mais seguro do que se sentir feliz sem precisar necessariamente do outro, mas escolher ele todos os dias para participar da sua vida. Sim, porque mesmo com todas as diferenças, com o histórico de vida que certamente não nos daríamos chance, ainda escolhemos ficar juntos, moldando, cedendo e tendo a certeza que isso é válido. Não importa se não for para sempre, já é inesquecível reencontrar um amor de infância e torná-lo maduro.



Após 14 anos, voltamos a comemorar o nosso 1º mês de namoro! :)


Um comentário:

Jân Bispo disse...

nossa eu sempre comunguei da ideia de que coisas mornas não animam sá entediam, sempre comunguei da ideia de que paixão tem que ter um Q de loucura se não não serve, mas lendo seu post tão sereno e lucido, pensei que talvez amor serenos e ameno seja uma saida mais segura para ao menos o momento de cura do coração, algumas vivencias são realmente interessantes e eternas a sua maneira ainda que esta não seja eterna no sentido literal. o que importa mesmo é ir vivendo enquanto for bom, aquela velha frase de musica: que seja eterno enquanto dure... rs abraços e sucesso,